segunda-feira, 30 de maio de 2016

NÃO.



Eu jamais jogaria minha cabeça ao fogo sabendo que a mesma seria queimada e traria riscos graves a minha patética vida, isso também me traria uma dor inútil.

Eu não tenho raiva de crianças, eu não nutro nenhum sentimento ruim por elas, pelo contrário. Mas também não tenho nenhum tato para tal.
Para mim um bebê é um projeto de gente adulta, onde ele vai crescer e tudo vai ser um porre.

Era cedo ainda, onde eu escutava as discussões, onde eu via as brigas e mesmo pequeno eu já entendia aquilo como demonstração de um futuro.
Certas coisas podem e devem ser evitadas, mas há coisas que parecem que sempre estão além de algum controle maior. 

Explico: Eu não sou nenhum deus e nem tenho a obrigação de querer as coisas perfeitas, nem por isso sou obrigado a construir algo baseado em não perfeição. Não sou obrigado a fazer um filho e/ou casar por que é assim que é. Claro que não sou. E alguém obriga?
Talvez algumas coisas ainda estejam encravadas em demasia nesse sistema fantasioso e lixo que vivemos. Talvez isso ainda permanecerá por muito tempo.

O que tento fazer é não cagar alguma regra para as outras pessoas. Mas todas essas obrigações sociais são um saco.  Alguns admitem isso, outros não. Eis a diferença: alguns conseguem viver com uma mascara na cara, é costumeiro, alguns não questionam e vivem bem assim. Eu não consigo.
Se eu ajudasse a trazer mais um ser para esse mundo, eu não me perdoaria. Isso não condiz com meus pensamentos, tampouco estou a fim de mudar de ideia e/ou ser a melhor pessoa do mundo porque eu trai minha filosofia de vida.

Ter um filho é uma responsabilidade de alguns bons quilos nos ombros. Eu não tenho ombros suficientes para aguentar tamanho peso, visto que eu não acho aqui (planeta terra) um lugar seguro. Não me sinto seguro andando por ai.
Eu também não conseguiria educar uma pessoa. Eu fracasso constantemente comigo mesmo, eu tenho quase trinta anos e até hoje eu tenho dificuldades de uma pessoa que tenha quinze anos de idade.

Não me vejo casando e/ou tendo filho, pedindo divórcio, pagando pensão. Tendo mais e mais despesas, preocupado constantemente em entender como dar o meu melhor para alguém.
Talvez a maioria das pessoas me chame de egoísta, não ligo. Não porque deturpam o que é egoísmo, não é isso.

Eu já passei alguns sustos, e esses mesmos me trouxeram tamanha profunda agonia, que provavelmente eu tenha aprendido onde é meu limite. E sinceramente... eu não estou a fim de provocar a mim mesmo. 

Não me vejo como pai, não me vejo como marido. Às vezes nem me vejo como um ser humano normal, embora eu seja um.

Por fim deixarei aqui três frases que resumem todo meu pensamento sobre matrimônio e paternidade. 

Ao pensar sobre a possibilidade do casamento, cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: ''você crê que seria capaz de conversar com prazer com esta pessoa até a velhice?'' Tudo o mais no casamento é transitório.
 
O casamento transforma muitas loucuras curtas em uma longa estupidez.   
Friedrich Nietzsche

Não deverão gerar filhos quem não quer dar-se ao trabalho de criá-los e educá-los. 
Platão.



  

Nenhum comentário:

Postar um comentário