terça-feira, 29 de março de 2016

Es war



Eu era um ser vazio. A imensidão de tudo era meu desejo. O mundo não era preto no branco.

Anos atrás eu perdi algumas coisas...

Um dia eu descobri que minhas ambições eram feitas de lápis, algumas borrachas e pronto, tudo estava apagado.
Minhas fraquezas emergiram meio que do nada e diziam que eu não podia fazer o que queria, que eu tinha de obedecer alguns padrões colocados por monstros sugadores de sonhos.
Eu precisava rever conceitos a todo o momento, relaxar não era uma opção. Sentir-se nostálgico quando o sol se por também não.
O futuro não era mais uma esperança, era uma fuga. O passado era passado. O presente apenas uma construção, uma ponte.
Eu lutei o quanto podia para tentar me encaixar em novos conceitos. Eu insistia incansavelmente em resistir.
Era inválido toda tentativa de buscar caminhos alternativos. Tudo que eu sabia não era mais o suficiente, bem... Ao longo do percurso descobri que eu não sabia de nada.
Meu quarto que antes fora um esconderijo, começou a fazer parte de um lugar inabitável.
Minha mente, antes criativa, agora cobrava por ser mais metódica.
Era se salvar ou nada. Era estar vivo e respirar, nada mais e nada menos que isso.
Eis que me vejo sem saída. O ditado popular diz que sempre há uma solução, mas assim como a maioria que diz isso, estou esperando tudo cair do céu. Alguma ideia que me tire do esgoto.
Estou escasso de liberdade. Estou cansado de não saber pra onde ir. Estou cansado de estuprar a realidade em busca de prazer.

Hoje... tenho uma relação promíscua com a minha própria identidade.
Meu lar é minha guerra. Meu corpo é apenas um esqueleto. Tenho sede, mas não bebo mais da mesma água. Tenho fome, mas não prazer em comer.
Deixei de caçar fantasmas, agora procuro corpos a fim de venderem suas almas para que eu possa me manter em pé, o fantasma agora sou eu.
Aceitei que não devo mais enganar o tempo, e quem é que possui esse poder?

Hoje quero preencher o vazio a qualquer custo.
As coisas são como são, não há nada além por ai.
Respeite seu desejo e queime ate o último fósforo.
Eles me ensinaram que devo beber ate a ultima gota.
O sabor amargo indica perigo.
Há perigo por toda parte e eu não tenho mais uma bolha em torno de mim.
Os sonhos agora são apenas aqueles que aparecem quando durmo.
E as lágrimas são de difícil extração.
O sexo, as amizades e tudo isso são superestimados.
O que dura pouco agora é algo como eterno. E o que dura muito um sacrifício.
Bem vindo ao mundo que foi feito exclusivamente para todos.

Baseado no livro "Não Espere Nada", de Malcatricio Amante.


Nenhum comentário:

Postar um comentário