terça-feira, 1 de maio de 2012

05/98/27/1/2


Como eu estava exatamente a um ano atrás, escondido atrás de bloqueios complexos, seguros e fortes. E agora, olho para trás e consigo sentir a mesma coisa...

Estava coberto de planos inexistentes, coberto de dúvidas e recheado de ilusões... não acreditava no céu, mas acreditava que as coisas de lá cairiam...pobre inocência.

Coisas acidentais acontecem o tempo todo e até você entender a profundidade leva um tempo e ao contrário da maioria, eu acredito que existem coisas que foram feitas para serem descobertas, talvez não por mim, mas por alguém longe de mim.

Tenho medo do bobo, mas não tenho medo do complexo. Quando escrevo tenho a sensação de estar em outro lugar, parece que apenas meu corpo permanece aqui, e minha essência é jogada para algum lugar que eu já estive (ou acho que estive). Não é o paraíso, não é nada do  tipo...

A vida pode ser simplesmente confusa e/ou confusa demais para ser simples, ou então simples na essência, isso soa muito lógico...

O sol ainda estará lá no mesmo lugar, queimando combustível, enquanto meu corpo, o seu, o deles, morrerá a cada dia que acordar...

Eu ainda vou ouvir muito eles dizerem que sem Deus eu não vivo, então sinto muito, pois estou morto já faz um tempo.

Eu terei a curiosidade de sentir mais vazio e quando eu estiver cheio, vou querer esvaziar tudo, e talvez eu tenha ânimo o suficiente para começar novamente.

Se você for pesado demais, pode ser que não levante quando cair. Às vezes se você deitar e ficar olhando pro alto ou pro lado, pode ser que encontre algo que estava sempre ali. Qual o problema de cair e não querer levantar?

É essa pressão maldita que parece ditar tudo ao nosso redor, e essas coisas de auto ajuda e de salvação em cristo. Faça o que você quiser com suas derrotas, se quiser engolir, faça-o, se quiser aprender algo, aprenda, se quiser menosprezar, que seja...



Nenhum comentário:

Postar um comentário