terça-feira, 20 de março de 2012

4 5 6 7 5 6 8 2 1


É o Mundo em que vivemos... Onde sou “obrigado” a ver incoerências e guardar minha opinião pra mim, pois posso parecer-me revoltado.

Onde minha falta de crença em algum Deus me faz pior...

Onde tratar bem todos os animais é frescura...onde uma vaca é diferente de um cachorro.

Onde preferem colocar a culpa em alguém do que assumir algum erro e tentar consertá-lo, onde dizem não poder julgar ninguém, mas vivem armados querendo tirar a vida de alguém...

Onde o dinheiro compra tudo, belos momentos, felicidade, sexo, glórias...

Onde acreditar na ciência é errado e desmerecê-la é justo.

Onde toda manhã eu preciso acordar e me motivar vendo as desgraças alheias...

Onde acreditar no real é ser fraco e “tocar” no invisível é ser forte...

Às vezes ou quase sempre me pergunto se realmente há vida em algum outro ponto do universo. Vida complexa, onde os seres possuem um cérebro potente, onde há certa evolução, onde a estrela no qual o planeta orbita não é tão quente, nem tão grande e nem tão próxima.

Enfim...

O amor é raro, na verdade tudo que era puro se torna raro e extremamente complexo, era simples, pois a vida não era essa loucura sem freio, onde nem há como parar “batendo o carro”.

Dizer algumas coisas eram simplesmente fácil, pois se sentia algo e não tinha a obrigação de tentar algo que você sabe que não dará em nada.

Os “profetas” viviam dentro de gavetas, e o Mundo real era aquilo que você acreditava ser...

“Ver” o futuro era uma brincadeira de criança e questionar era apenas perguntas de curiosidade...

A liberdade vinha de seu peito, de sua mente, de sua crença em si mesmo e não daquilo que você não pode tocar, não pode ouvir e não pode sentir...

Ainda posso sentir até o cheiro de coisas que passaram e não tenho vergonha nenhuma de me sentir nostálgico, pois existem coisas realmente graves e lembrar de coisas boas do passado não é tão grave assim...não mesmo!

O céu laranja até me fazia arriscar cantar em voz alta, eu nem estava feliz ou algo do tipo, apenas achava a maior beleza do mundo...

Não digo que cansei desse Mundo, pelo que eu sei, só há ele até agora... Não me sinto sozinho, não me sinto dependente de “ter” alguém... mas sinto que deixei muita coisa ir, e sem justificativa nenhuma, sem motivo que merece tal escolha.

...mas é isso, a gente aprende a perder, a gente aprende a ganhar e ficar calado, a gente aprende a tropeçar e cair de cara no barro, a gente aprende a ver as horas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário