quinta-feira, 9 de junho de 2011

Se tiver uma coisa que descobri é a insignificância...
Nossas vidas dopadas de coisas que achamos importantes...o quanto você consegue manter a máscara pregada?
E quando a música parar de tocar, e você não ouvir mais nada e ver um escuro tão grande a sua frente que não vai conseguir nem “enxergar” suas lembranças...
Estou propagado... direto e constantemente com uma “melância” idiota na cabeça.
Me desvirtua, me mostra a realidade nua, crua mas também vestida...
Há tempos, sério, e a vontade de colocar fogo em tudo e não digo isso de forma metafórica é de forma “meteórica” mesmo. Seria lindo ver alguns impérios sendo tomados por chamas e no final sobrando cinzas, não é isso que fazem conosco?
Então, devo eu desejar mal, ou algo parecido com vingança (justiça?) Sim, talvez seja esse o caminho, ou não, mas existe a possibilidade de se aceitar coisas obscuras...
Aguentar as pontas, só um pouco, agora, por exemplo, neste momento que escrevo, e por mais que eu toque no assunto não consigo me sentir estranho, as palavras são curas instantâneas.
Preciso dormir, o dia começa cedo, em todos os sentidos...(logicamente). Tenho dormido pouco, mas sonhado o bastante para me manter mais vivo. Organicamente isso é uma merda, mas ainda sobra muito tempo para sonhos criativos e reveladores...
Quanto tempo vou conseguir me manter sobre a corda bamba? Eu não sei, mas a corda está cada vez mais frouxa, talvez eu a arrebente antes que ela faça isso comigo primeiro, se o fizer, que eu tenha asas pra me sustentar, caso não tenha acho que um pára-quedas serve...

Nenhum comentário:

Postar um comentário