terça-feira, 19 de abril de 2011

A exploração à capacidade moral e mental das pessoas...
Quando nos obriga a aceitar aquilo que é imposto, com o argumento que você não pode e não deverá mudar nada.
É realmente grande o número de falsos otimistas que encontro. Seria contraditório dizer que sou um sonhador, mas também não deixo de ser um pessimista.
A realidade é algo meio perturbador se olhar bem para fora e depois para dentro. O que fazemos? Muito pouco e o que deixamos de fazer, mais ainda...
Tenho às vezes meu sonho como grande motivador, para que não deixe que eu caia e nunca levante.
Os dias estão curtos e o marasmo continua...
Antes ficavam “presos” dentro de casa e não tinha dinheiro se quer para tomar um açaí, hoje ficam quase 80% do tempo na rua, trabalhando e estudando, e é a mesma coisa, continuam sem dinheiro, sem tempo disponível e deixando os sonhos para outros dias, até que um dia eles morrem.
Sempre usamos uns aos outros, com algum afinco, e existem formas diferentes de se usar...
O que não pode é permitir um controle, daquele que te deixa bitolado em algo, sempre rumando pro mesmo lugar e quando o corpo dá sinal de cansaço, fazemos que não estamos nem aí, que é preciso.
É engano meu, ou ultimamente as pessoas andam mais descrentes do que costume? De fato, somos presas fáceis para o conformismo, sempre achando que nossas mãos estão atadas, que não temos escolha, ou que o mundo é isso e nunca vai mudar.
Daqui a pouco provavelmente sentarei no mesmo lugar, ou perto, com as mesmas pessoas do lado, com a mesma tela preta na minha frente, com os mesmos conceitos idiotas das empresas e de meus cordenadores. Colocando toda a culpa em nós, por não conseguimos fazer todo o trabalho, como se o problema viesse somente de baixo. Em algumas horas também ouvirei gritos dizendo para eu produzir mais e mais, pois nunca será o bastante.
É muito bonito dizer que somos uma equipe, quando você está um posto “acima”, parece que quanto mais alto mais idiota a pessoa fica (em maioria das vezes). O “poder” deixa as pessoas mais desprovidas de inteligência, humanismo e criatividade?
Não foi assim que começou tudo, mas será assim que terminará? Eu não sei, não estarei vivo, não sou nada comparado a imensidade do universo e de sua vida, mas tento fazer o meu melhor, sempre.
Eu simplesmente não consigo jogar fora tudo que sou para conquistar algo, ficarei ainda mais angustiado, e isso me levaria para uma queda interminável.
Eu quero levar menos a sério meu trabalho e algumas relações, porque eu preciso fazer tudo correndo, com pressa, porque eu preciso produzir para conquistar meu espaço? Sendo que aquilo lá nem é o que realmente eu quero. Eu preciso estressar constamente, eu preciso ficar calado? Não...não!

Nenhum comentário:

Postar um comentário