terça-feira, 29 de março de 2011

Meu trabalho de uma forma ou outra é muito simples, comparado a outros.
Mas desde quando um serviço que te poda a criatividade, a verdade, os sonhos pode ser simples?
Sentar na frente de um computador enxergar somente telas pretas e dados que no fundo não interessam a ninguém.
Então é a pior coisa do mundo? Não, pelo contrário, o que mais faz valer a pena em continuar onde estou é justamente tudo aquilo que eu condeno, a necessidade. Bom, existe também a outra parte, as das pessoas. Existe gente legal por lá...(mas não é o foco do texto).
Lá não é um lugar onde se pode dizer a verdade e/ou questionar, ninguém entenderá o motivo de ainda continuar perguntando sobre tudo, até porque não teria sentido, regras são regras e não me venha com essa de empresa diferente.
Eu tento me encontrar em situações talvez piores a que estou para criar uma ilusão que me jogue para fora da realidade para que faça que eu entenda que existem coisas boas. Mas como eu odeio o conformismo...e como eu odeio.
Tudo aquilo que digo, que falo, que quero viver não condiz em nada com a realidade que estou, ela me desmascara, parece até que sou um hipocrita.
Sempre me chamam a atenção e eu tento explicar o motivo de minhas ausências, mas, lá sou somente um empregado, um robô, um funcionário que mais dá lucro pra eles do que dividas. (Essas eu tenho certeza que eles tem e muito...)
Então, o que fazer? Ir embora mais uma vez e se sentir culpado por não ter aguentando sendo que nem era tão ruim assim? Pois, quando se perde é que se vê uma verdade até então oculta, mas se eu conseguisse me desprender disso tudo, talvez isso não aconteceria comigo, eu saíria a luta, eu conseguiria ir atrás de meus verdadeiros sonhos.
Tudo é motivado por um interesse, alguns sinceros outros de modo que é só utilizar o ser humano para se obter o que quer.
Sou do tipo de pessoa que nunca será ganancioso, sou humilde até em excesso, sou pouco ambicioso, pois isso me dá medo, tenho receio de me tornar uma cabeça de geléia, uma pessoa que só pensa que precisa crescer e não de forma evolutiva...(se é que vocês me entende).
A cada dia que boto os pés naquele lugar, quero fazer algo pra mudar, ou correr. Mas mudar o quê, esse tipo de coisas precisa ser mudada e se é possível tem de ser feita por mim? Obiviamente não.
Se eu fosse inteligente como dizem eu não estaria onde estou, e nem sentaria na mesma mesa deles.
Pode parecer arrogante e até é, mas é muito menos do que eles são, nem chega perto.
Sim, estou desgastado, desmotivado, talvez aconteça algo que me dê um “choque” e que eu consiga sair desse conformismo.
Esses dias atrás eu lá fiquei olhando pro monitor e a única coisa que eu lembrava era do Christopher Mccandless (Alexander Supertramp) e de saber que o que ele fez foi tudo real, ele sim foi um corajoso homem, se desprendeu de tudo e foi viver a sua vida.
Carreira é invenção do século vinte...
De onde eu tirarei coragem pra isso? Será que se eu o fizer igual destruirei meus sonhos? Ou será que meus sonhos depende somente dessa coragem?
...

Nenhum comentário:

Postar um comentário